26 de março de 2010

Star(t)

Discurso de Emanuel Belarmino, orador da turma de Psicologia 2009 da UFAL.
25/03/2010.

Ilustríssimo Senhor Professor Doutor Eurico de Barros Lobo Filho, Vice Reitor da Universidade Federal de Alagoas no exercício da reitoria a quem peço licença para, em nome do Professor Jefferson de Souza Bernardes, paraninfo desta turma e coordenador do curso de Psicologia, cumprimentar todos os demais componentes da mesa.

Minhas senhoras, meus senhores, meus Caros colegas!

UFA. Finalmente! Não teria como começar senão desta forma, até porque após 6 anos (ou 2.191 dias, 72 meses, e 313 semanas, para ser mais exato) de intensa rotina acadêmica, é impossível não manifestar certo alívio ao avistar a linha de chegada. Mas apesar de iniciar minha fala citando alguns números que marcaram nossa caminhada, não nos reunimos aqui para celebrar o tempo, ou tudo o mais que possa ser medido, explicado ou conceituado. O que realmente importa, neste momento, é relembrar o que não podemos mensurar, muito menos classificar. Tudo aquilo que aos olhos (e ouvidos) de muitos pode parecer inútil. Todas as coisas que, ainda bem, não servem para absolutamente nada além de serem sentidas e vividas, ultrapassando totalmente os muros e os limites do tempo.

Engraçado que quando recebi o convite para representar minha turma e comecei a escrever o que iria falar hoje, percebi que não conhecia o real significado da palavra caminho. E ainda hoje, quando olho para todo o nosso percurso, a confusão persiste. Afinal, o caminho estava pronto ou nós o construímos? A pergunta pode até parecer simples, mas sua resposta não o é. Apesar da confusão, escolhi a segunda opção pelo simples fato de entender que, assim como o caminho, as palavras também foram construídas. Na verdade, diria que elas foram dançadas, mais precisamente, inutilmente vividas, onde dicionário algum possa alcançar seu sentido.

Sendo assim, quais palavras dançamos? Que inutilidade é essa que vale tanto a pena ser dita?

Acredito que a primeira palavra que poderíamos citar é incerteza. Tudo era incerto ao entrarmos no curso; tentamos nos achar, procuramos horizontes mais claros, lugares seguros. Apegamo-nos aos grupos, muitas vezes fechando-nos neles e achando que para dançarmos precisaríamos apenas de algumas pessoas, especialmente aquelas com as quais nos dávamos bem, que sempre conversávamos e fazíamos os trabalhos juntos. Mas até aí, qual o desafio?

É muito fácil lidar apenas com as pessoas que partilham do mesmo modo de ver o mundo, dos mesmos sonhos, dos mesmos gostos. Muito cômodo, diria. Não precisamos sair de nossa zona de conforto. Mas, ainda que a diferença por vezes incomodasse e a segurança dos grupos acomodasse, não pegamos atalho. Escolhemos o caminho mais longo e difícil: aquele em que as diferenças foram sistematicamente afirmadas e reafirmadas, expressas seja na forma de escolhas teóricas distintas ou mesmo no modo como cada um aqui compreende o que é Psicologia. Estas diferenças, acreditem, ainda estão aqui. E que bom que estejam, pois foi por meio deste encontro diário com o outro e suas peculiaridades que aprendemos a maior lição de nossas vidas: aprendemos a não apenas respeitar o outro, mas de nos encontramos com ele. Fico muito feliz em saber que conseguimos transformar nossa maior dificuldade em aprendizado e que a dimensão de encontro continuará presente em nosso dia a dia, atravessando nossa atuação de agora em diante.

Tivemos também outros parceiros de dança, pessoas que acompanhavam nossos passos há mais tempo. Então, como não associar as palavras confiança, amor e apoio a nossos familiares? E quando falo em família refiro-me a todos aqueles (amigos, namorados ou namoradas, pais, mães, avós, avôs, tios e tias) que nos fizeram viver uma enorme quantidade de palavras. Quem de nós não irá lembrar-se daquela pergunta ao fazermos a inscrição no curso de Psicologia: mas é isso mesmo que você vai fazer?

Mas a melhor parte era quando as palavras não eram ditas e, no lugar dessas, sentíamos que acreditavam em nós, que nos amavam independente de nossas escolhas. Seja qual for a forma ou modelo de família que cada um tenha, todos nós tivemos, sim, amor, confiança e pessoas que acreditaram em nós. Disto, acreditem, teremos sempre que nos orgulhar e agradecer.

Acho que quando se fala em algo que foi expresso muitas vezes sem o uso de palavras, a importância de nossos mestres apresenta-se em toda a sua inteireza, já que o que verdadeiramente importa – não só na profissão que escolhemos, mas na vida – é aquilo que compartilhamos nas experiências, sem a necessidade de que alguém nos explique. Não que as explicações não tenham valor nem importância, mas não bastariam para entendermos a dimensão da palavra compromisso.

Esta palavra, que a primeira vista pode parecer rígida demais, daquelas usadas especialmente quando se exige um determinado tipo de postura e comportamento de alguém, atravessou nossa formação com outro sentido: aprendemos que a palavra compromisso exige de nós, antes de mais nada, verdade e autenticidade. Exige de nós nossa condição de pessoas que valorizam e respeitam o outro como homem, não o remetendo a limites e definições. Acho que em algum lugar isto foi explicado como ética, e tivemos a felicidade de aprender bem mais do que um conceito abstrato. Aprendemos a conjugar a ética em nossas ações cotidianas. Tivemos a felicidade de compreender também que não basta ter um currículo bonito, um lattes bem feito, pois, por mais valorizados que sejam, não bastarão para estarmos implicados, mergulhados verdadeiramente no compromisso de sermos e de sempre nos refazermos profissionais.

Não há como não lembrar o célebre Riobaldo, personagem-narrador de “Grande Sertão: Veredas”, que nos advertiu uma vez: “Vivendo, se aprende; mas o que se aprende, mais, é só a fazer outras maiores perguntas.”. A autoria desta frase, originalmente do grande escritor Guimarães Rosa, poderia ser atribuída a qualquer um dos professores que nos conduziram ao longo destes 6 anos de graduação. De uma forma ou de outra, foi este o ensinamento que reverberou em cada uma das disciplinas que formaram nosso currículo: o conhecimento não se mede pela quantidade de respostas prontas que somos capazes de carregar na ponta da língua; aprendizado maior, meus amigos, é cultivar perguntas. E acreditem: nós aprendemos. E foi a partir deste aprendizado do que significa ser comprometido que crescemos e hoje estamos aqui podendo não só chamá-los de professores, mas agora de colegas, parceiros de profissão. Continuaremos sempre juntos, na busca por uma atuação mais presente na vida das pessoas.

Infelizmente ainda somos parte de uma minoria que teve (e tem) o privilégio de estar numa universidade. Não foram poucas as vezes que tivemos as aulas interrompidas por pessoas que não tinham o que comer, beber, vestir, nem mesmo acesso à satisfação de suas necessidades mais básicas. Cito este exemplo não para sugerir que somos melhores ou superiores a essas pessoas, mas para pontuar o quanto estas “interrupções” nos ensinaram sobre o valor de uma atuação ampla e comprometida com o outro. Tenho certeza que ninguém aqui irá se considerar um Psicólogo pelo simples fato de estar intitulado e que diante de todas as mudanças que passamos não será apenas o saber que nos garantirá o verdadeiro exercício da profissão.

E o que falar então da palavra amizade? Acredito que esta seja uma das grandes construções que fizemos juntos, alicerçada em base sólida e resistente à corrosão da falta de tempo e da distância que poderão nos fazer presentes de agora em diante. Em nosso caminhar acadêmico, o que mais precisamos foram de pessoas não apenas para trocar idéias, mas para compartilhar a fundo cada passo que demos. É inegável o quanto uma palavra amiga foi importante, o quanto um diálogo verdadeiro foi necessário, o quanto uma confidência ajudou a superar algum obstáculo. Criamos vínculos e laços profundos que levaremos para sempre. É como diz o Poeta Fernando Pessoa: “O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso, existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis!”

E o que falar da palavra crise? Aquelas três letrinhas que tão bem conhecemos representam bem esta palavra, mas acho melhor não mexer mais nelas. Apesar de um contorno negativo, nunca vi palavra tão necessária. Muitas vezes prejudicial, ela de alguma forma nos moveu, nos tirou de uma condição de passividade, da mesmice que o medo do fim nos causa. Acho que ainda estamos dançando essa palavra; talvez a dancemos sempre. Ainda bem.

Junto à crise, quase que como uma irmã gêmea, vem à palavra superação, derrubada de obstáculos, certeza de que fomos capazes e merecedores. Transformamos os medos e as incertezas em certezas e confirmações.

Agora uma coisa eu tenho que confessar. Pode até parecer estranho, mas... Eu não sei definir o que é Psicologia. E como eu não sou louco de tentar explicar, sozinho, o que em seis anos, felizmente, não consegui, pedi ajuda à minha amiga Juliana nesta tarefa difícil, já que ao invés de explicar pretendo expressar. Sendo assim, peço licença ao presidente da mesa para, neste momento, compartilhar um poema com toda a minha turma.

Psicologia, se a própria palavra falasse gritaria HUMANIDADE, que com ela obtivemos.
HUMANIDADE que aprendemos com os humanos, professores e colegas.
HUMANIDADE que da loucura só ficou a cura.
HUMANIDADE que nos faz acordar, caminhar e enfim voar.
VOOS em vontade e determinação;
VOOS excitantes, na coragem e viagem que faremos;
VOOS naturais que de tão normais nos deixaram loucos;
VOOS conflitantes entre EU e um TU que se esconde e aparece para nos provocar;
VOOS que nos tiraram de órbita e nos revelaram a um universo de possibilidades;
VOOS rasantes e mesmo que errantes nos impulsionaram a voar;
VOOS utópicos, ávidos por mudar o mundo e a essência;
VOOS inconstantes que desbravaram a certeza e a possível razão de ser;
VOOS per-feitos e re-feitos por humanos em demasia;
VOOS entre idéias e ações que nos levaram até o limite.
Se temos asas para voar?
Fechem os olhos, já voamos 06 anos: agora somos psicólogos!
Enfim voemos!

Muito Obrigado!
.
.
.
...pressinto que amanhã vai faltar jaca!

Um comentário:

exoticlic.com disse...

poxa brigada por ler meu blog

vc será psicologa é?

o vestibular é mto dificil?

se quiser bater um papo me add no orkut é só ir no menu EU do exoticlic vc acha meu perfil.

eu amo psicologia vou ler o que tu escreve aqui