6 de junho de 2009

A instância da letra numa parede ou...ODiabom!


'Better the devil you know than the devil you don't'

Deus e o Diabo habitam Maceió. O Diabo e Deus disputam palmo a palmo as paredes dessa cidade, andam de mão em mão. Para aqueles cujo olhar passou despercebido, basta caminhar por aí; olhem novamente. O fato é que vejo Deus e o Diabo todos os dias; eles não me saem da cabeça: estão no caminho para casa e em pichações nos muros da cidade, estão escritos nesses grandes cadernos chamados 'paredes'.

Mas, calma! Isto aqui não se trata de mais um episódio de Constantine. A questão é que não sei se isso acontece em outras cidades ou se essa é uma disputa exclusivamente alagoana; porém, há algum tempo venho percebendo essas pichações em diferentes bairros da nossa cidade e logo me veio a pergunta: porque se precisa escrever o nome de Deus ou do Diabo numa parede? Seriam eles esse Outro que precisa se fazer representar? O que acontece nessa cidade para que essa espécie de dito precise se fazer escrito, assim, tão visivelmente?

Onde quero chegar com tudo isso? Como vocês vêem, tomei emprestado como título para esse post um famoso texto de Lacan intitulado 'A instância da letra no inconsciente'. Está lá nos 'Escritos'. Sobre ele operei uma pequena substituição: ao invés do inconsciente, a parede (por favor, ignorem óbvio dessa substituição). Não sei bem do que Lacan trata nesse texto, mas seu título sempre me fez imaginar muitas coisas...

Como muitos devem saber, as palavras, as letras, os nomes, enfim, os significantes possuem um peso significativo num tratamento psicanalítico. Ou talvez seja que ao experimentar uma análise descobrimos (se já não o havíamos feito antes) o peso que as palavras tem sobre nosso destino. Antes de nascermos já somos falados pela boca de outros, já existimos nas palavras, no discurso do outro: quer seja por meio de um nome ("Vais te chamar...Vitória", por exemplo), de um desejo ou de um lugar previamente construído, essa espécie de ninho de dizeres que nos aguarda antes de nosso nascimento. Eis aí os elementos fundamentais para a constituição do sujeito, este que nada mais é que o suposto; isto que a fala supõe.

Voltando ao nosso caderno gigante - as paredes -, na foto acima vocês vêem um Diabo transformado. Achei notável a habiliade da pessoa que se deu o trabalho de ir até a Fernandes Lima e ali, onde havia o diabo, pichou um 'm' e um sinal de exclamação, transformando-o por completo. Com uma letra, então, passou-se do Diabo para o Diabom! Essa pessoa certamente entende do que se trata numa análise, ou do que se trata uma vida, e por isso lhe dedico esse post! O diabom, portanto, está a uma letra de distância. O Diabo também. E não é exatamente assim com nosso inconsciente, estruturado como uma linguagem?

Parte 2

Deus existe? Não sei. Mas dele se fala, e do Diabo também; logos, ambos devem existir. Para iniciar minha conclusão, retomo a epígrafe desse post (se é que um post se presta a tal recurso estilístico!): Better the devil you know than the devil you don't. Além desta, existem muitas outras expressões com o Diabo na língua inglesa, mas que por hora iremos deixar de lado, como por exemplo: speaking of the devil...ou...between the devil and the deep blue see. Retomando a primeira, temos que "é melhor o diabo que conhecemos, do que o diabo que desconhecemos". Penso que se trata de algo semelhante na travessia do fantasma e no dia-a-dia dos nossos tão amados sintomas. Aqui lembro meu orientador, em uma de suas milhares de frases que me fisgaram: "o sintoma é a maneira como cada um gosta do seu inconsciente".

Ao tratar da transferência no seu texto 'Observações sobre o amor transferencial', Freud escreveu uma das mais belas metáforas que já li sobre o assunto. Nele, Freud diz: "Instigar a paciente a suprimir, renunciar ou sublimar seus instintos, no momento em que ela admitiu sua transferência erótica, seria, não uma maneira analítica de lidar com eles, mas uma maneira insensata. Seria exatamente como se, após invocar um espírito dos infernos, mediante astutos encantamentos, devêssemos mandá-lo de volta para baixo, sem lhe haver feito uma única pergunta." Esta pergunta, Lacan mais tarde a retoma com seu 'Che vuoi?', ou melhor dizendo: "que queres"? E de onde Lacan tirou essa? De um conto italiano escrito por Jacques Cazzote, intitulado: 'O Diabo amoroso'. Sinceramente, eu não consegueria pensar num título melhor para um livro qualquer que fosse, especialmente um que trate do desejo. Segundo Peter Souza Leite, tanto para Freud quanto para Lacan, o Diabo aparece como o próprio porta-voz do desejo.

Logo (urgente mesmo!), é preciso fazer falar esse Diabo que habita a todos nós, e não apenas as paredes da cidade, causando tanto incomodo ao ponto de que alguém se prontifique a lhe acrescentar uma letra; alguém este que algo quis fazer com esse Diabo que lhe incomoda - como eu nesse momento. Não sei se o mesmo aconteceria com o nome de Deus escrito nos muros. Pelo que vi, acho que não.

Àqueles que quiserem ver, o Diabom! os aguarda na parede da passarela do CEAGB, está lá, como na foto. Tire o dia e visite o Diabo. Se o Diabo incomodar, lembre-se que O Diabom! está a uma letra de distância.

3 comentários:

Hélida Xavier disse...

Gostaria de acrescentar ao seu dito, ao final veremos se o fiz. Percebi tal pichação, como te disse, na mesma semana que você postou. É incrível como uma letra muda, inverte, torce. Não só uma letra, uma simples pontuação desnuda o dito e põe às claras o dizer, a posição subjetiva. Aí caímos naquela discussão da varanda da Rosy (rs): ouvir a enunciação!!

‘Che voi?’, pergunta que angustia! Sujeitos passam anos a inquirir o analista sobre seu desejo, e ele retorna: Che voi?. Até o orkut inquire acerca de meu desejo: “Tem certeza de que deseja deixar de participar desta comunidade?”. É mole? Vontade de responder: quem és pra indagar sobre meu desejo?

Freud fala que o inconsciente não resiste, mas insiste! Assim como o diabo que lateja, inclusive nas paredes. Até mesmo nossos diabos, vip’s nesse blog.

Ótimo texto Rafa, palavras pra me ajudar a elaborar.

p.s.: precisando dos Escritos é só falar =)

Laura Santos disse...

Tendo então encontrado em um mesmo dia o diabo... e o "o dia bom" (tão bom...) retorno a pergunta a você... Che voi?
Passa lá no meu blog e veja se gosta de alguma coisa... beijosssss

mirella amarella disse...

não quero nem papo com ele,m pois é se procuro bem ...e como o diabo pode ser bom???? se ele é o traidor de Deus.