21 de maio de 2009

Saint-homme pra quê?

Escritor fantasma? Moi? J'existe. Grafia bonita, eu elidido, tantas coisas as línguas nos ensinam. E qual melhor maneira para começar?

Vou entrando sem pedir muita licença, mas já acolhido, juntar-me-ei aos bicos perdidos, carentes, nocivos, aos pathos que não aprenderam a nadar. Escrever...eis negócio impreciso, porém, necessário. Pra quê? Lhe digo. Vamos no dizer não dito, reescrevendo Fernando Pessoa: Amarrar é preciso, fazer nó também! 

Deixo aqui meus agradecimentos e satisfação às minhas caras e boas ex-companheiras de curso e de debates assim-queria-ser-psicanalítico de horas inesperadas: no assento de ônibus, no banco do ICHCA, varanda de apartamento. Hélida e Jacy; Jacy, Hélida e eu, Rafael Caselli. Espero assim podermos triangular questões e devaneios, pois, a essa altura, vale qualquer coisa por uma sublimação! 

Penso nesse espaço como um divã noturno, de horas impróprias, porém precisas. As crises, todos sabem, escolhem muito bem as horas, são amigas do relógio, das repetições, e conhecem melhor o tempo do que nós o conhecemos. Pra quem não tem analista à meia-noite, interpretação delivery ou disk-escansão, aqui vai o espaço:    .

Olá a todos!

4 comentários:

Jacyara Faustino disse...

Seja muito bem-vindo, Rafa!
Texto gracioso por demais.
E assino embaixo: "a essa altura, vale qualquer coisa por uma sublimação!".
Bjins saudosos.

Rafael Caselli disse...

Merci, Madame Jacý! Hahahha
Eu que fico muito feliz, mesmo, de compartilhar com vocês este pequeno espaço precioso, nesse misto de desespero e desejo. E entre o sublime e o ridículo, como tanto me sinto, buscar nem que seja um nózinho....=)

Hélida Xavier disse...

Querido Rafa, vc sabe que quando faltam as palavras elas irrompem por outra via, num discurso, digamos, mudo. Arrepiar, neste momento, configura uma boa resposta para suas palavras. Seja bem-vindo! Façamos o nó para não mais desatar. E reforço: "a essa altura, vale qualquer coisa por uma sublimação!". Pois, pra que existe o mastercard? rs

Nando... disse...

"Horas Impróprias"?
Escrever sobre escrever é uma boa maneira de não escrever, não é?
hahaha! Mas está valendo! Abraço!